Projeto Casca de Cebola confecciona perucas para pacientes com câncer

img-casca-de-cebola
Por Daniel Cheles

Levar autoestima e esperança a mulheres e crianças que enfrentam o câncer: este é o objetivo do projeto Casca de Cebola, que arrecada mechas de cabelos para a confecção de perucas. As ações começaram a partir de uma campanha realizada em Nova Friburgo, em outubro de 2014.

“Há quase quatro anos, eu resolvi doar o meu cabelo e, daí pra frente, não parei de receber doações. Tive que reunir um grupo de amigos para dar continuidade ao trabalho”, explica a coordenadora do projeto, Lívia Ruiz.

O nome escolhido para o projeto foi inspirado na luta contra o câncer de José Henrique Ruiz de Beuclair, um friburguense conhecido como “Cebola”. Motivados por essa batalha, voluntários uniram-se para amenizar a dor dos que enfrentam a doença.

“A autoestima faz toda a diferença numa luta contra o câncer. É um momento muito delicado da vida. Por que não transformar o que ia para o lixo na alegria de alguém?”, completa Lívia.

Desde o início, a proposta é divulgar a doação de cabelos e conquistar novos colaboradores não só na região, mas em todo o país. Por meio de uma parceria com a fábrica Cabelos Humanos, do Rio de Janeiro, o grupo confecciona as próprias perucas com mechas que antes iriam para o lixo.

“Quando uma ONG parceira decidiu não aceitar novos cabelos, a gente se uniu para confeccionar as perucas. É um trabalho de formiguinhas. Hoje não estamos apenas em Nova Friburgo; já fomos para Fortaleza, Belém e outros municípios do Rio de Janeiro”, conta a cabeleireira e voluntária Flávia Daudt.

Para ser contemplada pelo projeto é necessário entrar em contato através do site ou das redes sociais. As próteses são doadas de acordo com a disponibilidade no banco de perucas. Durante o processo, o paciente experimenta quantas opções desejar e escolhe a que mais combina com o seu visual.

COMO DOAR

Para contribuir com o Casca de Cebola, basta amarrar um rabo de cabelo com 20 centímetros ou mais e cortar por cima do elástico. Todos os tipos de cabelos são aceitos, inclusive os que foram submetidos a algum tratamento químico.

“Para nós, o melhor é que o cabelo seja cortado seco. Caso o corte aconteça com os fios molhados, é importante deixar secar bem antes de colocar num saquinho plástico”, ressalta Lívia Ruiz.

O projeto recebe doações de todos os estados brasileiros. As mechas devem ser enviadas, via Correios, para o endereço: Avenida Conselheiro Julius Arp, 525 (loja B) – Olaria, Nova Friburgo/RJ – CEP.: 28623-000. Para mais informações, acesse: www.cascadecebola.com.br.

(Texto originalmente publicado em www.portalmultiplix.com)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *